Sunday, March 30, 2014

Acre também quer se anexar à Rússia

by Pedro Tolentino

RIO BRANCO, Acre (BP) - No dia 16 de Abril, os habitantes da Criméia aprovaram, em um referendo, a anexação da região à Rússia.  No dia 18, foi assinado o tratado de anexação da península ucraniana à Federação Russa.
Apenas duas semanas após os acontecimentos na Criméia foi a vez do estado do Acre, no Brasil, anunciar que também pretende se anexar à Rússia.  O anúncio foi feito ontem pelo governador do estado, Tião Viana, em comunicado oficial por rádio e TV.
A votação na assembleia legislativa ocorrerá na próxima terça feira e, caso a proposta seja aprovada, um referendo popular deverá ser realizado ainda em Abril.
Segundo o cientista político Anthony Andrade, as chances de tal anexação ocorrer de fato são grandes.  Logo após o anúncio uma multidão ocupou a praça Plácido de Castro, em Rio Branco, carregando bandeiras russas, garrafas de vodca e cartazes com fotos da tenista Maria Sharapova. 

Wednesday, March 26, 2014

The Collective Child

by Pedro tolentino


Versão em Português / Portuguese Version - click HERE 

Cheers! They are having a kid!
The idea of these texts I group under the label of "irresponsible futurism" is thinking about the future without taking into account the ethical and cultural taboos of the present.

I someone from the early 1900's came to visit us he or she would be impressed, and probably offended, by the way we live now. Generations die and taboos sooner or later do too.
 
One concept that might seem strange to us today, but might make sense 20, 30 years from now, is the "collective child”.

If we have less and less time to take care of our children and the costs of giving them a comfort living and keeping up with the Joneses while, at the same time, preparing them for the competitive world that awaits them is getting more and more expensive (and exhausting), it is only natural that, when facing the lack of two important commodities (time and money) parenting a child “part time” together with an extended group of people doesn’t seem so bad. 


Tuesday, March 25, 2014

Ser Famoso é de Família - Parte 2

by Pedro Tolentino

Se até Hollywood está apelando pra trilogias, continuações e "franchises" por que não o boraver.com?  Devido ao grande sucesso do primeiro texto "Ser famoso é coisa de Família" (link) não poderíamos deixar de fazer uma continuação com mais três famosas e influentes famílias brasileiras...

Família Ramos:


Graciliano, Tony, Lilian, Sérgio, Lázaro

Graciliano Ramos - autor de Vidas Secas
Tony Ramos - ator global peludo
Lilian Ramos - a "sem calcinha" do Itamar
Sergio Ramos - zagueiro do Real Madrid, braço estrangeiro da família
Lázaro Ramos - o Wagner Moura que não deu certo


Monday, March 24, 2014

O "Vale Filho"

by Pedro Tolentino
por encomenda do IBFI (Instituto Boraver de Futurologia Irresponsável)


Creio que quase todo mundo já ouviu falar da política de filho único adotada na China desde 1978 (e que recentemente teve uma leve flexibilização).  Na época da implementação deste sistema, já contando com a maior população do planeta e com altas taxas de natalidade a China adotou a política de forma a frear o crescimento populacional e, conseqüentemente, aliviar uma série de problemas sociais, econômicos e ambientais que se tornariam incontroláveis (a estimativa do governo é de que a população chinesa seria hoje maior em cerca de 350 milhões de pessoas, ou dois "Brasis", caso a política não houvesse sido adotada).

Conforme comentado anteriormente, acredito que a diminuição da taxa de fertilidade acontecerá naturalmente, devido a fatores econômicos e culturais, que acabam fazendo com que a população moderna, principalmente a urbana, deseje uma família menor que aquela dos seus antepassados. Com isso eventualmente a população mundial vai começar a decrescer (ver possível solução para decréscimo da população no post O Filho Corporativo).  Este decréscimo, no entanto, ocorrerá apenas após chegarmos à marca de 9,5 bilhões de habitantes. Cada vez mais os ambientalistas se preocupam se o planeta está preparado para abrigar tanta gente, devido à pressão que uma população deste tamanho coloca nos recursos naturais, e a verdade é que não temos esta resposta.


Monday, March 17, 2014

Stop, Adedanha ou Adedonha para Intelectuais

by Luciano Milici

Filósofo pre-socrático com X ???
Dentre as centenas de milhares de colaboradores deste magnânimo portal filosófico, três são, sem dúvida, os mais desocupados cronologicamente disponíveis para o exercício de atividades aleatórias: Pedro Tolentino, Sir Anthony e eu, Luciano Milici.

Para matar o tempo em nossas vidas repletas de ócio, desnecessárias e ausentes de sentido, costumamos nos encontrar com frequência para desfrutar do lirismo e da frugalidade onanista onírica das noites paulistanas. Os emocionantes programas são inúmeros e a escolha nem sempre é fácil para  nerds sumidades do nosso gabarito. 

Juntos, notamos em nosso inexistente gigantesco círculo de amigos que todos, em sua inveja jocosa, desdenham de nossos esportes semanais assumidamente por não estarem aptos ao desafio mental e nem serem convidados para as festanças loucas que organizamos. Eu não tenho tantos amigos famosos, confesso, mas sei que Sir Anthony frequenta o círculo dos reis do camarote e Pedro Tolentino é brother e amigo pessoal do ator José Mayer.

Fiéis na crença que Candy Crush, Flappy Bird, Call of Duty, GTA e outros passatempos lúdicos são vulgares demais para a nossa atenção, dedicamos nossas noites em árduos e disputadíssimos campeonatos de modalidades diversas que muito encantarão você, querida leitora nua sobre uma sela de cavalo (você existe?).


Saturday, March 15, 2014

Nuvem: tá todo mundo lá!

By Pedro Tolentino
por encomenda do IBFI (Instituto Boraver de Futurologia Irresponsável)
Escritório futurista com decoração "celestial"
Num futuro próximo "estar" ou "não estar" é que será a grande questão (em inglês não precisa mexer na fala de Hamlet porque "To be or not to be" serve nos dois contextos).
Exceto no caso de trabalhadores braçais (que serão minoria devido à constante automação dos processos) e de profissões que exigem o contato humano (médicos, dentistas, atletas de esportes coletivos, etc.), o vínculo físico com o local de trabalho deixará de existir. 
Devido às novas tecnologias de comunicação on-line, conversar com uma pessoa "ao vivo" ou através de algum aparelho (chamem de "tele presença" ou algo do tipo), fará pouca diferença. A cultura de fechar negócios ou fazer reuniões com a presença física das pessoas é coisa da nossa geração (as próximas gerações não terão esse nosso "apego" à conversa "cara a cara"), em breve o local de trabalho será 100% virtual não só para profissionais liberais, mas também para executivos. 
A consequência natural disso é que grande parte das pessoas não precisará mais morar no mesmo local em que trabalham. Muitas empresas não estarão sediadas em um determinado "lugar".  Funcionarão on-line, 24 horas por dia, e nossos colegas de trabalho, na prática, poderão estar em qualquer parte do mundo.

Thursday, March 13, 2014

O Pianista de Piano Bar

by Pedro Tolentino



Recentemente encontrei um amigo pianista (vamos chamá-lo de Alberto, um nome falso, para preservar sua identidade).  Hoje ele toca por diversão e trabalha em outra atividade completamente diferente, mas até alguns anos atrás a música era sua profissão.

O cara é muito talentoso: cursou conservatório, participou de algumas apresentações de música erudita, etc, mas o que pagava as contas da casa eram mesmo os cachês para tocar em restaurantes e, principalmente, em bares de Hotéis sofisticados, o obrigatório "Piano Bar".

Logo que nos conhecemos perguntei porque ele havia abandonado a carreira.


"Cara, acordei um dia e pensei: Chega! A partir de hoje eu nunca mais vou tocar New York, New York!"


Wednesday, March 12, 2014

Ser famoso é coisa de Família

by Pedro Tolentino

OK, nem sempre é, mas se começarmos a analisar direitinho algumas celebridades e pseudo-celebridades, começamos a ver que o sobrenome pode contribuir e muito na ascensão a posições de destaque nas mais diversas áreas, senão vejamos:

Família Alves:


Castro, Daniel, Rodrigues, Sam e Suzana



Castro Alves - a praça dele é do povo, como o céu é do avião
Daniel Alves - Lateral direito do Brasil e do Barcelona
Rodrigues Alves - Ex Presidente brasileiro da época do café com leite
Sam Alves - Cantou Aleluia e faturou o "The Voice Brasil" 2013
Suzana Alves - a Tiazinha


Monday, March 10, 2014

O Filho Corporativo - Parte 02 de 02

by Pedro Tolentino
por encomenda do IBFI (Instituto Boraver de Futurologia Irresponsável)


Geração de Filhos: negócio de capital intensivo
e retorno de longo prazo
Este post é a segunda parte de um texto, é essencial a leitura prévia da parte 01, faça isso clicando no link abaixo:


Segue abaixo a parte 02:

...O governo, como principal interessado no crescimento populacional precisará intervir para que os incentivos corretos estejam presentes, não como executor (a lá "Admirável Mundo Novo"), mas como agente regulador.

O caminho está no subsídio, mas um subsídio inteligente, baseado na performance futura do filho corporativo. Ao remunerar um funcionário, assim como acontece hoje em dia, as empresas serão obrigadas a recolher um determinado valor em impostos, proporcional ao salário do empregado. Uma parcela significativa deste valor, no caso do funcionário ser um filho corporativo, seria repassado diretamente à empresa geradora.


Sunday, March 09, 2014

O Filho Corporativo - Parte 01 de 02

by Pedro Tolentino
por encomenda do IBFI (Instituto Boraver de Futurologia Irresponsável)



Mesmo que as pessoas das próximas gerações sejam mais bonitas, mais inteligentes e mais bem preparadas, temos que encarar o fato de que elas virão em menor número.

Hoje um terço dos países do mundo já apresenta taxas de fecundidade abaixo de dois filhos por mulher (o mínimo necessário para garantir a reposição da população no longo prazo).  A previsão da ONU é que a população mundial atinja um nível máximo de 9,5 bilhões de habitantes, por volta de 2070, e a partir daí, comece a diminuir. No Brasil a população pode começar a diminuir em apenas 30 anos.

A princípio é natural que esta tendência seja vista com bons olhos (por evitar que a população global chegue a níveis perigosos), mas as conseqüências de uma redução drástica na taxa de fecundidade traz problemas graves, como por exemplo o envelhecimento acelerado da população. Por mais que uma melhor qualidade de vida proporcione às pessoas uma vida produtiva mais longa, a humanidade sempre precisará de renovação.