Saturday, February 16, 2013

"O Envelhecente" - dicas úteis para trintões recém separados

É com grande satisfação que o boraver.com publica seu primeiro texto escrito por uma mulher (isso aqui tava uma "macharia" desgraçada), o texto a seguir é da amiga Cecília Urioste.  Para publicar seu texto no boraver mande e-mail para boraverblog@gmail.com

By Cecília Urioste


O "envelhecente" e seu olhar 43
Ele sempre foi "O" gatinho na escola. Aos 17 anos começou a namorar "A" gatinha.  Era o casal perfeito no 3º ano colegial, quarto anos depois, após haver passado em um concurso publico noivado, aos 25 o casamento com todas as pompas e, aos 34, o divórcio.

Embora com muitas variações, esse tipo de divorciado está se tornando um fenômeno. Ele passou todos seus "20 e poucos" preso e agora, com a sensação de perdeu boa parte da festa, resolve recuperar o tempo perdido. 

Aí é que nasce o problema. Esse indivíduo está fora do ciclo de paqueras a mais de 10 anos. Ele tem referências adolescentes e pior, dos anos 90! Eis que estamos em 2013 e esse pobre coitado acaba pagando micos desnecessários, típicos de “envelhecentes”.

Para não passar por isso só há dois caminhos:

 1- Reinventar-se como “garotão” do novo milênio e atacar as "ninfetas" (com o risco frequente de ser chamado de tio ou de ter a carteira depenada).  Essa estratégia também exige bom preparo físico e bastante estudo sobre o zeitgeist da turma de vinte e poucos anos.

2- Entender que as solteiras de 30+ cresceram. Elas estiveram na "pista" esse tempo todo e já não caem em qualquer papinho, como na época do colégio. 


Como mulher de 30+ pouco posso fazer pelos envelhecentes que escolherem o primeiro caminho.  Para os que optarem pelo segundo aqui vão algumas dicas úteis:

Uma mulher de 30+ não vai se impressionar com carteira cheia, emprego super estável ou carro super equipado. Isso é básico e corriqueiro, provavelmente ela tem o mesmo, se não mais.

Uma mulher de 30+ sabe o que quer: só jantar, sair pra dançar ou chamar para casa dela depois. Você pode deixar claro suas intenções (que provavelmente se resumem a sexo), mas frases do tipo "não vou fazer nada do que você não queira" já não fazem mais sentido (porque isso é óbvio) e soa bem ridículo. Seja gentil, abra a porta do carro, vá buscá-la em casa e, se for o primeiro date, pague a conta.

Acima de tudo, impressione menos e conheça mais. É nesse momento que você vai perceber as afinidades reais. Caso não existam muitas, a coisa vai minguar naturalmente. Caso contrário, você pode ter achado uma grande mulher que, ainda por cima, vai saber quem você é, na real. 

O guarda- roupa é outra questão importante, não sei se é estratégia feminina, mas geralmente mulher quando casa deixa o marido um rabujo!

O “envelhecente” costuma aparecer na balada com a mesma roupa do trabalho (camisa pólo desbotada e jeans ¨segura pança¨), isso quando não coloca uns apetrechos ¨super legais¨ como suéter no ombro ou gel no cabelo.  Aí você vê aquele figura vindo diretamente de "De Volta para o Futuro¨, segurando um copo de whisky, encostado numa pilastra e dá vontade de perguntar se ele tá procurando a sobrinha.  Não seja esse cara, isso é fácil de resolver, basta meia horinha de papo com uma vendedora de uma loja legal e um cartão de crédito (cuidado para não estourar o limite do cartão, você vai ficar mais apresentável de roupa nova, mas também não precisa cair na conversa da vendedora, que vai falar que você está um gato super sexy, e que pra ficar perfeito só falta mais um tênis, 3 camisetas, 2 calças, etc). Ah, outra coisa, não tente se repaginar na colcci, ser moderninho demais depois dos 30 não, né?

Outro problema ainda mais comum aos “envelhecentes” é a falta de prática. Eu não sei ao certo o que acontece, mas acredito que a monogamia prolongada faz com que a pessoa se acomode na mesmisse. Lembre-se que cada mulher é um mundo que vale a pena conhecer. Um erro clássico é estar tão preocupado em "cumprir a meta" que esquece do percurso. 

Amigo, na boa, vá devagar, converse com a moça e trate sua "falta-de-jeito" com naturalidade. Perceba que o sucesso da noite está muito mais ligado à química e a todas energias sutis envolvidas do que à dureza do seu membro.  Muitas vezes uma noite sem sexo é muito mais instigante que uma trepada protocolar. 

Enfim, não é uma transição fácil, ainda mais tendo como referência a adolescência dos anos 90, mas não dá pra voltar no tempo, ainda bem...