Monday, January 07, 2013

Economistas for Dummies - Parte 2

Após algum tempo sem escrever um texto da série "for dummies", resolvi honrar meu diploma de economista e citar mais dois grandes nomes desta tão interessante ciência humana. 

No texto "Economistas for Dummies - Parte 01" falei sobre Adam Smith, Karl Marx e John M. Keynes. Se ainda não leu, pode acessar o texto através deste LINK.

A idéia continua a mesma, ficar no "rasinho" em termos de teoria econômica, e ao mesmo tempo entender as influência desses caras na música popular e no futebol.



Thomas Malthus - Economista Britânico - 1766-1834 - o "profeta do apocalipse"

Malthus tornou-se amplamente conhecido por suas teorias sobre a população e sua redução ou aumento, em resposta a vários fatores. Em seu "Ensaio sobre o Princípio da População", publicado em seis edições entre 1798 e 1826, observou que o crescimento descontrolado da população levaria inevitavelmente à fome. 

Malthus argumentava que o crescimento da população impediria o progresso da sociedade: "O poder da população é indefinidamente maior do que o poder da terra para produzir subsistência para o homem" (a teoria de Malthus, em bom português, dizia que haveria gente demais pra comida de menos).

Malthus foi infeliz em sua previsão, pois a história mostrou o contrário, os meios de subsistência passaram a crescer mais rápido do que a população, e a "catástrofe malthusiana" nunca aconteceu...

Muitos fatores contribuíram: a mecanização do trabalho (tratores), a introdução de variedades de alto rendimento de trigo e de outras plantas (Revolução Verde), o uso de pesticidas para controlar a pragas, entre outros.  O fato é que hoje se produz mais calorias por dia por habitante.  O crescimento da produção de calorias "per capita" foi de 23% entre 1960 e 2000, período no qual a população mais que dobrou.

Thomas Malthus errou, e errou feio, na sua previsão...


Seguidores de Malthus no Futebol:

Editácio Vieira de Andrade (Dimba) - Tentou resolver a questão malthusiana ampliando a dieta humana...
Em 1997, Dimba foi comprado pelo Botafogo. O jogador que freqüentemente ficava no banco de reservas entrou na final do Campeonato Carioca de 1997 e fez gol do título, seu primeiro no Maracanã. Durante a comemoração do título, Dimba chegou a comer grama do campo de felicidade.

Zagallo - Tentou resolver a questão malthusiana promovendo o canibalismo
O "velho lobo", técnico da seleção brasileira após a conquista da copa América de 1997 afirmou: "vocês vão ter que me engolir".


Seguidores de Malthus na Música:

Chico Buarque (ao perceber que a comida não ia dar pra todo mundo)
"e vamos botar agua no feijão"

João Gilberto (explicando, do ponto de vista baiano, como não morrer de fome mesmo sem ter o que comer)
"A Bahia que vive pra dizer
Como é que se faz pra viver
Onde a gente não tem pra comer
Mas de fome não morre
Porque na Bahia tem mãe Iemanjá
De outro lado o Senhor do Bonfim"

Titãs (voltando com a idéia de comer grama, idealizada por Dimba)
"Bebida é água!
Comida é pasto!"

Beth Carvalho (sentindo na prática o que dizia Malthus)
"Eu ia no armazém do seu Manoel com um tostão
Trazia um quilo de feijão
Depois que inventaram o tal cruzeiro
Eu trago um embrulhinho na mão
E deixo um saco de dinheiro
Ai, ai, meu Deus"



David Ricardo - Economista Britânico - 1772-1823 - o cara do "faz o que tu sabe, o resto deixa quem sabe fazer"

David Ricardo foi muitas vezes creditado como o primeiro pensador a sistematizar a ciência econômica.  É até hoje um dos mais influentes dos economistas clássicos.

Talvez sua contribuição mais importante foi a lei da vantagem comparativa, um argumento fundamental a favor do livre comércio entre os países e da especialização entre os indivíduos.  Embora Adam Smith, precursor de Ricardo, já pregasse o livre comércio, não conseguiu mostrar quando e como o comércio é rentável. Foi Ricardo que deixou isso claro pela lógica o que agora é chamado de "vantagem comparativa".

Ricardo mostrou que, mesmo que o país "A" seja mais eficiente na produção dos produtos 1 e 2 do que o país "B", vale à pena o país "A" concentrar seus meios de produção no produto ("1" por exemplo) onde é mais eficiente, exportando o excedente do produto "1" e importando o produto "2".  Mesmo tendo vantagem "absoluta" no produto "2", a especialização e o comércio melhoravam o resultado do país, o que contava era a vantagem "comparativa", e não a "absoluta".

A teoria Ricardiana é simples e faz sentido, mas sua aplicação acabou prejudicando os países não industrializados (principalmente as colônias ou ex colônias).  O incentivo de importar bens industrializados e exportar matérias primas (seguindo a lógica de Ricardo), atrasou a industrialização destes países (o Brasil é um caso clássico), até que barreiras comerciais e incentivos governamentais reverteram (ou tentaram reverter) esta tendência, na primeira metade do século XX.


Seguidor de Ricardo no futebol:

Paulo Vinícius de Carvalho - o PVC


Seguindo à risca os ensinamentos de Ricardo, PVC dedica 100% dos seus recursos ao estudo do futebol.

Muitos homens são criticados por suas esposas / namoradas por não lembrar o dia em que se beijaram pela primeira vez, o dia em que começaram o relacionamento, etc.  Um argumento comum, dito em tom de revolta é: "vc não lembra disso, mas lembra a escalação do seu time campeão estadual de 1989".  Elas criticam seu cônjuge porque não conhecem o PVC.  O comentarista da ESPN é a enciclopédia viva do futebol, não é incomum ouvir o PVC soltar, durante a transmissão de um jogo Flamengo e Vasco, por exemplo, um comentário do tipo:

"Este gol do Vagner Love me lembra muito um outro gol do Flamengo, um gol de Junior, aqui mesmo no Maracanã, pela taça Guanabara de 1982.  O jogo era contra o Madureira, uma tarde chuvosa de sábado.  Naquele jogo, aliás, Junior voltava de contusão e só entrou no intervalo, etc. etc."

Se deixasse ele passaria duas horas discorrendo sobre aquela partida; a data, a escalação do Flamengo, do Madureira, os treinadores, os cartões amarelos, o preço do ingresso, o anunciante da placa que ficava atrás do gol.  Enfim, duvido que PVC ainda tenha espaço no seu HD para lembrar da data do início do namoro...

Seguidores de Ricardo na música:

Noel Rosa (defendendo a especialização no que cada um faz de melhor)

"São Paulo dá café, minas dá leite e a Vila Isabel dá samba"

Cartola (rebatendo Noel e dizendo que a Mangueira faz samba ainda melhor que a Vila)
"Eu digo e afirmo que a felicidade aqui mora
E as outras escolas até choram
Invejando a sua posição"

Noel Rosa (aceitando o argumento de Cartola, mas ainda disposto a competir no mercado do samba)
"a Vila não quer abafar ninguém
Só quer mostrar que faz samba também!"

Adelmario Coelho (explicando a especialização da cidade pernambucana de Caruaru)
"É por isso que Caruarau, é a capital do forró"

Nizan Guanaes - ele mesmo, o publicitário (vendendo ao mundo o principal produto de sua terra)
"We are Carnaval, We are, we are folia, We are, we are the world of Carnaval, we are Bahia"

1 comment:

  1. Prezado Sr. Boraver: depois de finalmente entender o pensamento economico de David Ricardo, minha patroa propôs uma restruturação no barraco. Nao valera mais o "na minha todo mundo eh bamba, todo mundo bebe, todo mundo samba". A partir de agora, pela teoria das vantagens comparativas, soh ela vai ser bamba e soh meu cunhado continuara bebendo. Acho q nessa eu sambei...

    ReplyDelete