Tuesday, November 27, 2012

João Gilberto e o RH

As empresas multinacionais e as grandes empresas brasileiras estão cada vez mais preocupadas com seu time de colaboradores (funcionário é uma palavra proibida entre o pessoal do RH).

O acesso a capital abundante e financiamento barato diminuem as barreiras de entrada e são cada vez mais as pessoas que fazem a diferença no resultado da empresa.

Como consequência disso seus departamentos de Recursos Humanos (o antigo DP, mais um termo proibidaço) vem ganhando força.  Com cada vez mais gente e recursos, os RH se dedicam incessantemente a identificar, contratar e reter "talentos", identificar os "gaps" dos seus profissionais, avaliar constantemente seu quadro de pessoas e montar uma "linha de sucessão". É importante identificar os "high potentials", de forma a treiná-los, motivá-los e remunerá-los adequadamente.

Até pouco tempo atrás um Gerente Jurídico, por exemplo, precisava conhecer do assunto e entregar no prazo pareceres, contratos e outros documentos.  Hoje isso não basta: é preciso ter espírito de liderança, saber trabalhar em equipe, pensar "fora da caixa", fazer mais com menos, ter "executive presence", possuir "people skills", poder de negociação etc.  É de se esperar que o contrato que você precisa não chegue no prazo...

Entregar é importante, é fundamental ter comprometimento, mas tudo isso sem esquecer as não menos importantes "competências" descritas acima, o colaborador precisa ser uma espécie de Roger Federer, que joga 5 sets e termina o jogo com cara de quem acabou de sair do banho.

A avaliação constante é imprescindível, normalmente em 360 graus, e muitas empresas começam a adotar uma reunião de gestores para discutir forças e "gaps" dos talentos subordinados a cada um.

Nesta reunião é comum o Diretor industrial emitir comentários sobre o pobre coitado do gerente jurídico, apesar do mesmo não ser subordinado a ele.  É preciso atender bem não apenas seu chefe, mas seus pares e "clientes internos".

Segue abaixo uma discussão sobre a performance do grande mestre João Gilberto pela diretoria:

- Bom, vamos agora ao João Gilberto. Gostaria de começar pelas forças e depois falar dos "gaps".

- Sem dúvida, o João é um profissional competente no que faz, conhece do assunto e entrega seu trabalho com qualidade.


- Pois é, é um profissional senior, experiente, muito atento aos detalhes.
- Passa senioridade no vestir, está sempre de terno, é discreto.

porém...

- Bom, a primeira coisa que me incomoda no João é a dificuldade que ele tem em trabalhar em equipe, é sempre aquela coisa "um banquinho, um violão", não percebo ele interagindo muito com outros colegas.
- Além do mais, percebo no João uma certa resistência a mudanças, esse negócio de "só danço samba, só danço samba" ficou ultrapassado, o gestor moderno precisa dançar conforme a música, ter flexibilidade.
- Concordo, em alguns casos percebo que ele não promove a diversidade, um valor essencial da empresa, me preocupa essa atitude de "quem não gosta de samba, bom sujeito não é".
- Verdade, não queremos ter uma equipe homogênea, a diversidade e a aceitação de diferentes pontos de vista é fundamental.
- Vejo nele uma certa resistência em relação a "feedbacks" negativos, essa coisa de mandar a platéia calar a boca e falar que "vaia de bêbado não vale" não leva a nada.
Devemos entender o motivo da vaia para promover uma constante melhora em nossos processos.

alguém tem mais alguma coisa a dizer?

- Creio que o cancelamento do show em São Paulo em cima da hora foi uma atitude inaceitável.
- Pois é, é uma pena, depois as pessoas reclamam que não têm oportunidade.  Quando têm, jogam fora.
- Esses pontos que levantamos não são de hoje, há anos damos o mesmo feedback e ele não muda.
- Concordo, é uma pena demitir um profissional como o João, que já contribuiu tanto para essa organização, mas não creio que exista outra opção...


Gostou?

Leia também:

Bossa Contemporânea

Papai Noel Rosa

18 comments:

  1. Adorei a metáfora do texto como todo !!! Um grande abraço, Beth

    ReplyDelete
    Replies
    1. thực đã đạt tới mức toái niết tam cảnh!

      Hai đại tuyệt kỹ của Vương Lâm, đạo Hóa Hoàng Tuyền và kiếm khí của Lăng Thiên Hậu toàn bộ xuất ra, mục đích của hắn cũng không phải là đối chiến với người này, mà là chấn nhiếp!

      Vương Lâm lúc này thực đã thanh tỉnh, áp chế điên cuồng của Thăng Tiên quả. Hắn lúc này đã khôi phục tâm trí, lão giả này không phải là người hắn có thể đối phó, càng không phải nói tồn tại không biết trong hắc tháp kia.

      Ánh mắt của hắc giáp lão giả từ trên kiếm khí thu hồi, nhìn về phía Vương Lâm, trầm mặc xuống.
      dong tam mu lậu cho thuê phòng trọ cho thuê phòng trọ nhạc sàn cực mạnh tư vấn pháp luật qua điện thoại công ty luật hà nội số điện thoại tư vấn luật dịch vụ thành lập doanh nghiệp
      Bốn phía một mảnh yên tĩnh, chỉ có trong Thiên Tế Hoàng Tuyền kia phát ra thanh âm lưu động ầm ầm, thanh âm này tản ra hóa thành gợn sóng.

      Đúng lúc này, đột nhiên một đạo thần niệm khổng lồ từ trong hắc tháp phía sau lão giả lao ra.

      - Chưởng ấn kia của ngươi, từ nơi nào học được!

      Delete
  2. Excelente, novamente. Infelizmente vivemos uma época em que temos que ser focados e multimídia, especialistas e generalistas, bons líderes e excelentes liderados, bons com pessoas e equipamentos, antenados e um pouco desligados. Temos que ser tudo ao mesmo tempo. A velocidade da informação nos trouxe uma necessidade (não sei quem foi o corno que criou isso) de agilidade e antecipação absolutamente desnecessárias. Saudades da inocência do início dos 90...

    ReplyDelete
  3. Alguns colaboradores passam a vida toda tentando fazer alguma contribuição relevante e não conseguem, portanto acho que a turma do RH deveria prestar mais atenção ao fato de que Sr. João modernizou todo um segmento da empresa criando um produto novo ainda na década de 50 e que até hoje este produto continua sendo um dos itens de exportação de maior sucesso do Brasil, almejando a categoria de commoditie nacional. Acho que eles iriam se certificar de conseguir uma cadeira para ele no Conselho.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Rsrsrs Postagem magnífica! Uma pena que irão demitir João! Esse mercado ultracompetitivo não respeita nem as realizações do passado de ilustres colaboradores! Veja só, até Steve Jobs foi demitido (tendo sido inovador como o João). Talvez a empresa busque para seu cargo o Thiaguinho.... Está dentro do perfil desejado.

      Delete
  4. Bem escrito. Superficial, como esperado dos que não entendm do assunto a fundo e buscam polemizar. Sugiro leituras mais profundas: Ram Charam e o nacionalíssimo Cezar Souza, que trás uma nova perspectiva de ações em RH. Afinal, se todo o cenário mundial muda, pq o RH deveria continuar igual? PS: DP não é RH, mas outro setor, que continua a atuar e não mudou de nome :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. "Traz" uma nova perspectiva...

      Delete
    2. "DP não é RH, mas outro setor, que continua a atuar e não mudou de nome :)". Cara Andrea, com essa frase você matou o problema, vou tentar me aprofundar (apesar da proposta deste blog é ficar no rasinho, no superficial mesmo). O que me assusta é que quem deveria se aprofundar muitas vezes tá ficando no rasinho...
      Abs, Pedro

      Delete
    3. This comment has been removed by the author.

      Delete
    4. Cara Andrea

      "trás" = traseira, parte anterior, as costas, à ré etc e taus
      "traz" = 3a pessoa do verbo trazer, que achamos que "caberia melhor" na frase pretendida... ;)

      (Quanto à blague, Pedro Tolentino, excelente!...Viva o João, então, né não ? abaixo aos "super-homens"!)

      Delete
  5. Anonymous7:18 AM

    ACHO QUE PRA FALAR DE JOAO GILBERTO A PESSOA,NO MINIMO TERIA QUE FAZER ALGO PARECIDO COM O QUE ELE FEZ.E O QUE SE DIZ HJ NO BRASIL ..AH,O JOAO GILBERTO JA ERA,TA FORA DE MODA..E UMA PENA,UMA FALTA DE RESPEITO COM UM GENIO DA MUSICA..

    ReplyDelete
  6. Anonymous5:57 AM

    Quem escreveu me parece entender tudo de RH e nada de música. Mas valeu o comentário.

    ReplyDelete
  7. Parece que o povo não entendeu o cunho humorístico do texto, ao qual o perfil do ilustre JG caiu como luva, e que, possivelmente seja um músico admirado pelo escritor.

    ReplyDelete
  8. eu idolatro joão gilberto
    e não entendo nada de RH

    (O Escritor)

    ReplyDelete
  9. Acho que o post acima encerra o mimimi de uma vez. Também me amarro no João e ADOREI o texto!

    ReplyDelete
  10. Sir Anthony12:33 PM

    Como consultor executivo do Grupo Boraver (cargo a que creio ter direito de me nomear, uma vez que ainda nao sei como vao me pagar), recomendo: 1) aumentar a fonte do disclaimer que diz "Leia mas nao acredite (read it @ your own risk)", e 2) manter a decisao de desligar o Joao Gilberto. Apesar de ser o pai da Bossa Nova (que junto com o whisky e o ar condicionado sao as maiores realizacoes do genero humano), a verdade eh q o barquinho vai, a tardinha cai e o Joao acabou ficando desafinado, como ateh ele admite (embora se recuse a abondanar aquele discurso ultrapassado, verdadeiro samba de uma nota soh). Mantenho minha sugestao de promover o MC Bola de Fogo pra preencher a vaga.

    Forte abraco.

    Sir Anthony
    Consultor Executivo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Kkkkkkkkkkk MC Bola de fogo. Essa empresa é visionária!

      Delete
  11. Anonymous7:11 AM

    Vai com o dedo e tchau!

    ReplyDelete